O PAPEL DO ENFERMEIRO FRENTE À SENSIBILIZAÇÃO DA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA

Autores

  • Gisele Ribeiro da Silva Acadêmica do Curso de Bacharelado em Enfermagem da Faculdade de Educação e Meio Ambiente – FAEMA
  • Ezilda Maria Peressim Paes de Menezes Acadêmica do Curso de Bacharelado em Enfermagem da Faculdade de Educação e Meio Ambiente – FAEMA
  • Rafael Alves Pereira Enfermeiro, Prof. Esp. do Curso de Bacharelado em Enfermagem da Faculdade de Educação e Meio Ambiente – FAEMA (Orientador)

Palavras-chave:

Medula óssea, Sensibilização, Assistência de Enfermagem

Resumo

O transplante de medula óssea (TMO), não é um método semelhante aos demais transplantes realizados devido o órgão transplantado não ser sólido e sendo considerado como tratamento celular (1). Sendo assim, é um tratamento de muita eficácia na cura de enfermidades ligadas a medula, e alterações ligadas à mesma, podendo os doadores ser da mesma família, como também de uma pessoa desconhecida (2). As pessoas indicadas para serem doadores devem ter idade entre 18 e 55 anos de idade, estar em bom estado de saúde, sem doenças infecciosas ou incapacitantes, e de preferência fazerem parte do Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME) (3). O enfermeiro apresenta técnicas para a captação de doadores de medula óssea podendo ocorrer de várias formas como a sensibilização, fazendo com que o público entenda a importância da doação em salvar uma vida. Essa captação pode ser realizada através dos futuros profissionais da área da saúde de forma significante. Portando o objetivo deste estudo é descrever a importância do profissional de enfermagem nas ações de medidas de tratamento, sensibilizando quanto à doação de medula óssea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-08-26

Como Citar

Silva, G. R. da ., Menezes, E. M. P. P. de ., & Pereira, R. A. . (2020). O PAPEL DO ENFERMEIRO FRENTE À SENSIBILIZAÇÃO DA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA. Revista Científica Da Faculdade De Educação E Meio Ambiente, 10(edespenf), 79–84. Recuperado de https://revista.faema.edu.br/index.php/Revista-FAEMA/article/view/1125