O PREPARO DO ENFERMEIRO DIANTE DA MORTE E DO MORRER

Autores

  • Raquel Karine Barbosa da Silva Acadêmica do Curso de Bacharelado em Enfermagem da Faculdade de Educação e Meio Ambiente – FAEMA.
  • Jessica de Sousa Vale Enfermeira, Profa. Ma. do Curso de Bacharelado em Enfermagem da Faculdade de Educação e Meio Ambiente – FAEMA (Orientadora)
  • Katia Regina Bruno Gomes Enfermeira, Profa. Esp. do Curso de Bacharelado em Enfermagem da Faculdade de Educação e Meio Ambiente – FAEMA (Orientadora)

Palavras-chave:

Morte, Luto, Enfermeiro

Resumo

No decorrer dos anos, desde a idade média até os dias de hoje a morte é um fenômeno que a humanidade desenvolve temor e rejeição. Com a falta de informação e escassez de debate, a morte traz ao ser humano o sentimento de frustação e impotência partindo de pessoas com laços afetivos ou estritamente profissionais (1). O enfermeiro em sua prática assistencial acompanha diversas fases do desenvolvimento humano desde a concepção até a saúde do idoso
lidando com situações de prevenção e promoção em saúde ou assistência curativa. Com embasamento de conhecimento técnico e científico esses profissionais se deparam com pacientes terminais, que possuem prognósticos fechados, agravos à condição fisiológica e são responsáveis pela gestão dos cuidados gerais de cada paciente de sua unidade.De acordo com a literatura, no processo de formação acadêmica o tema sobre a morte e o morrer é pouco abordado podendo estimular este profissional acreditar que somente a recuperação completa e a cura dos pacientes são bons cuidados. Essa busca constante pela vida algumas vezes, impossibilita o diálogo, o questionamento e o pensamento sobre este momento inexorável (3).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-08-26

Como Citar

Silva, R. K. B. da ., Vale, J. de S. ., & Gomes, K. R. B. . (2020). O PREPARO DO ENFERMEIRO DIANTE DA MORTE E DO MORRER. Revista Científica Da Faculdade De Educação E Meio Ambiente, 10(edespenf), 90–94. Recuperado de https://revista.faema.edu.br/index.php/Revista-FAEMA/article/view/1127