QUEBRA DE DORMÊNCIA EM SEMENTES DE IPÊ-AMARELO (Tabebuia vellosoi) COM UTILIZAÇÃO DE ÁGUA CLORADA: AVALIAÇÃO DO MELHOR TEMPO.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31072/rcf.v7i2.399

Palavras-chave:

Ipê-Amarelo, Plantas Ornamentais, Reflorestamento Urbano.

Resumo

A Tabebuia vellosoi conhecida popularmente como Ipê-Amarelo é uma planta brasileira, típica das formações abertas da floresta pluvial do alto da mata atlântica, porém com bom desenvolvimento também em regiões com características de cerrado. É considerada como árvore símbolo do Brasil. Sua reprodução pode ser por estaquia ou sementes que requerem quebra de dormência para obtenção de melhores índices de germinação, que por vezes se torna problemática, devido às divergências na forma de como proceder. Na literatura pesquisada, foram encontradas citações em que se indicam períodos que e 12 h, 18 h, 24 h e até 60 horas de imersão em água antes do plantio. Esta pesquisa buscou avaliar o melhor período para a quebra da dormência. Os resultados apontam que as sementes submetidas à quebra de dormência de 18 horas apresentaram os melhores resultados tanto no número de sementes germinadas como também no comprimento inicial das raízes comparando-se com os demais períodos, facilitando inclusive, após a quebra de dormência, o replantio em sacos plásticos apropriados para mudas para posterior replantio em campo aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Humberto Biagolini, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp Campus Sorocaba Doutorando em Ciências Ambientais

Professor, Biólogo, Mestre em Análise Geoambiental e Doutorando em Ciências Ambientais

Downloads

Publicado

2016-12-12

Como Citar

Biagolini, C. H. (2016). QUEBRA DE DORMÊNCIA EM SEMENTES DE IPÊ-AMARELO (Tabebuia vellosoi) COM UTILIZAÇÃO DE ÁGUA CLORADA: AVALIAÇÃO DO MELHOR TEMPO. Revista Científica Da Faculdade De Educação E Meio Ambiente, 7(2). https://doi.org/10.31072/rcf.v7i2.399

Edição

Seção

Artigos (Ciências Ambientais)