CONSTIPAÇÃO INTESTINAL: TRATAMENTO COM FITOTERÁPICOS

Imagem: Gastrosurg.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31072/rcf.v9iedesp.598

Palavras-chave:

Constipação intestinal, Fitoterápico, Plantas medicinais, Tratamento

Resumo

A constipação intestinal (CI), também chamada de obstipação intestinal, é determinada pela dificuldade frequente ou eventual de defecação, causando desconforto e outros transtornos ao indivíduo. Trata-se de uma sintomatologia e não de uma patologia específica. Em razão do baixo número de laxantes sintéticos, vêm sendo muito utilizado os laxantes de origem vegetal, devido sua variedade, sendo assim, múltiplas plantas medicinais servem de fonte alternativa de fármacos. O objetivo desse artigo é esclarecer os aspectos da constipação intestinal e os medicamentos fitoterápicos utilizados na atualidade, ressaltando seus mecanismos de ação e seus efeitos adversos. Trata-se de uma revisão de literatura, entre os anos de 2003 a 2016. Dentre os laxantes fitoterápicos, mais utilizados encontram-se os derivados antraquinônicos (cáscara sagrada, sene, babosa) e o óleo rícino que estão classificados na classe dos irritantes ou estimulantes do peristaltismo intestinal. Uma outra classe são os formadores do bolo fecal, que estão presentes as fibras como exemplo o Psyllium. Verificou-se que o sene é um dos laxantes mais utilizados, pela alta eficácia e por não ocasionar inflamações secundárias. Portanto, a utilização inadequada e prolongada dos fitoterápicos, pode provocar múltiplos efeitos adversos. Por esta razão, necessita de um estudo farmacológico adequado, para que o farmacêutico possa estar orientando e melhorando a qualidade de vida do usuário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-06-15

Como Citar

Pinheiro, A. K., Geron, V. L. M. G., Terra Júnior, A. T., Nunes, J. da S., & Brondani, F. M. M. (2018). CONSTIPAÇÃO INTESTINAL: TRATAMENTO COM FITOTERÁPICOS: Imagem: Gastrosurg. Revista Científica Da Faculdade De Educação E Meio Ambiente, 9(edesp), 559–564. https://doi.org/10.31072/rcf.v9iedesp.598

Edição

Seção

Revisões de Literaturas (FARMÁCIA)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.